Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008
III Encontro sobre “Embolização das artérias uterinas nos fibromiomas” - 8 de Março de 2008

Quase 4 anos de experiência e quase 600 doentes tratadas

Local: Associação Nacional de Farmácias (R. Marechal Saldanha, 1) junto ao Largo de Camões

(possibilidade de estacionamento gratuito no local de reunião)

 

 

PROGRAMA Preliminar

 

 

 

 14.00h – Sessão Inaugural

o        Mesa de Honra: 1- Dra. Maria de Belém Roseira, 2- Presidente do Conselho Cientifico da Faculdade de Ciências Médicas, 3- Presidente da Sociedade Portuguesa de Radiologia e Medicina Nuclear, 4 - Presidente da Sociedade Portuguesa de Cirurgia, 5 – Presidente da Associação Portuguesa dos Médicos de  Clínica Geral  6- Director do Hospital St. Louis,

14.30h -  Inicio dos trabalhos – Painel de Comentadores e Moderadores: Dr. Aguinaldo Andrade, Dr. António Camarinha Mendes, Dra. Maria Clara Bicho, Dra. Maria do Céu Santo, Dr. Manuel Neves e Castro, Dr. Ricardo Mira.

14.30h -  Apresentação clínica dos fibromiomas – Dra. Maria Clara Bicho

14.45h -  Ecografia no diagnóstico e controlo de fibromiomas – Dra. Joaquina Tavares

15.00h - Os fibromiomas sob o ponto de vista do cirurgião geral - Prof. Doutor Fernando José Oliveira

15.15h – Miomectomia  e ressectoscopia laparoscópica  - Dr. António Setúbal

15.30h – A embolização das artérias uterinas nos fibromiomas – experiência portuguesa – Prof. Doutor João Martins Pisco

16.00h  - Discussão

16.30h – Café

17.00h - A embolização e a gravidez – Prof. Doutor Javier Córdon

17.15h - A embolização e a fertilidade – Prof. Doutora Mónica Miño

17.30h - Embolização das artérias uterinas nos fibromiomas – série espanhola – Prof. Doutor Miguel Ângelo Gregório.

18h00 -Discussão Comentários de doentes já tratadas e de portadoras de fibromiomas candidatas à embolização.

 19.00h - Encerramento

 

 

 

Patrocínio Cientifico – Faculdade de Ciências Médicas, Sociedade Portuguesa de Cirurgia Sociedade Portuguesa de Radiologia e Medicina Nuclear, Associação Portuguesa dos Médicos de Clínica Geral


III Encontro sobre Embolização Uterina

Quase 4 anos de experiência, quase 600 doentes tratadas, doze casos de gravidez e 6 crianças nascidas

 

Prezada Paciente,

Devido ao grande interesse revelado por todas as pacientes nos encontros realizados no Hospital St. Louis em 11 de Fevereiro de 2006 e no Instituto Franco Português em  17 de Março de 2007 sobre Embolização Uterina, decidimos realizar em 8 de Março de 2008 (Dia da Mulher),  o III Encontro sobre Embolização Uterina que irá decorrer na Associação Nacional das Farmácias.

Para esta reunião sobre Embolização Uterina serão convidadas todas as pacientes já tratadas e todas as portadoras de fibromiomas que nos consultarem até aquela data e como tal está convidada.

Serão apresentados os nossos resultados, a médio e longo prazo e os de outras grandes séries internacionais. Todas as pacientes já tratadas, poderão revelar o resultado da sua própria experiência. As não tratadas poder-se-ão esclarecer.

É importante a sua presença pelos seguintes motivos: possibilidade de comparação do seu resultado com o das restantes pacientes, esclarecimento de dúvidas, conhecimento dos exames a efectuar (a nossa experiência levou-nos a modificar o protocolo inicial por razões que explicaremos) e para uma maior aceitação e divulgação da técnica.

As doentes que residem fora de Lisboa e que ainda não tiveram consulta após a embolização e queiram aproveitar a sua deslocação poderão ter consulta no Hospital St. Louis no mesmo dia, no período da manhã, devendo contudo mencionar o facto no questionário para posteriormente serem informadas da hora.

 

João Martins Pisco

 



publicado por SCar às 15:31
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007
500 embolizações das Artérias Uterinas
Vai realizar-se no dia 19 de Outubro, pelas 19 horas, no Hospital St. Louis, uma Reunião Comemorativa das 500 embolizações das Artérias Uterinas, no tratamento de fibromiomas, já realizadas, pelo Prof. Dr.  João Martins Pisco.

Nesta reunião estarão presentes algumas das pacientes já tratadas, entre as quais uma das 3 que já deram à luz e algumas das 5 grávidas que aguardam o nascimento do seu filho.


Programa:

17.00 - Condutas alternativas perante os fibromiomas

Prof. Doutor Jorge Branco

17.15 - Fibromiomas uterinos e Fertilidade

Prof. Doutor António Pereira Coelho

17.30 - 500 Embolizações das Artérias Uterinas. Alegrias e dissabores.

Prof. Doutor João Martins Pisco

18.00 - Depoimento e esclarecimento de dúvidas de pacientes já tratadas.

18.30 - Discussão

18.45 - Encerramento

18.50 - Cocktail - Convívio




publicado por SCar às 21:24
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2007
Implementação da embolização uterina em Portugal

:: 24 de Junho de 2004
Efectua-se com êxito a primeira embolização das artérias uterinas numa paciente de 32 anos, já submetida a 2 miomectomias, nas quais teve de levar transfusões de sangue. As abundantes hemorragias de que se queixava cessaram após embolização

:: 9 a 13 de Setembro de 2004
O Professor Martins Pisco assiste ao Congresso da Sociedade Europeia de Radiologia de Intervenção, no qual intervem de forma activa nas discussões dos trabalhos apresentados sobre embolização uterina.
 
:: 15 de Novembro de 2004

O Correio da Manhã e a TVI fazem a reportagem de um caso de embolização uterina, a que assistem no Hospital st. Louis - Lisboa

:: 30 de Março de 2005 
O Prof. Martins Pisco proferiu uma Conferência no IV Congresso de Ginecologia da Maternidade Dr. Alfredo da Costa sobre Embolização Uterina no tratamento de fibromiomas. Revelou os resultados de 52 doentes já tratadas tendo a sua comunicação sido muito apreciada pelos cerca de 200 ginecologistas presentes.

:: No mesmo dia, às 18 horas, no Hospital de St. Louis, o Professor Martins Pisco proferiu uma Conferência sobre o mesmo tema na qual estiveram presentes alguns ginecologistas e algumas doentes tratadas por embolização uterina. Entre os ginecologistas presentes de referir o Prof. Pereira Coelho que fez alguns comentários muito favoráveis sobre a técnica, afirmando a determinada altura que não tinha qualquer dúvida, que era uma boa alternativa e de que era seguramente uma técnica para ficar. Estiveram presentes 4 doentes já tratadas há cerca de 3 meses às quais lhe tinha sido dado como única alternativa a histerectomia, todas referiram que após a embolização das artérias uterinas as queixas desapareceram.

:: 14 de Abril de 2005
No Congresso Internacional Pós Graduado de Radiologia do Tórax e Intervenção, organizado pelo Prof.Martins Pisco, o Prof. Nestor Kisilevsky proferiu uma palestra sobre a embolização das artérias uterinas. O Prof. Martins Pisco proferiu igualmente uma palestra sobre o mesmo tema. Ambos responderam a inúmeras perguntas elaboradas pelos participantes.

:: 16 de Abril de 2005
No Hospital de St. Louis efectuou-se mais uma embolização das artérias uterinas com transmissão para os participantes do Curso. A técnica foi realizada pelos professores Nestor Kisilevsky e Martins Pisco e transmitidas ao vivo através de circuito interno de TV. A paciente tratada de 43 anos tinha grandes perdas sanguíneas com menstruação com cerca de 10 dias de duração. A técnica efectuada sob anestesia local e sem qualquer dor, durou cerca de 1 hora tendo a doente tido alta no dia seguinte.

:: 3 a 5 de Maio de 2005
O Professor Martins Pisco participa na Grande Canaria, no Congresso da Sociedade Espanhola de Radiologia de Intervenção, intervindo de forma activa em todos os trabalhos apresentados sobre embolização uterina.

:: 14 de Outubro de 2005
O Professor Martins Pisco proferiu, no Hospital Pulido Valente, Lisboa, uma palestra sobre embolização uterina nos fibromiomas, pelo Professor Martins Pisco.

:: 25 de Outubro de 2005
Conferência sobre embolização uterina no tratamento de fibromiomas, no Serviço de Cirurgia do Hospital do Desterro, Lisboa, pelo Professor Martins Pisco.

:: 21 de Novembro de 2005
Conferência sobre alternativas à histerectomia no tratamento de fibromiomas, no Serviço de Ginecologia da Universidade da Beira.

:: 29 de Novembro de 2005
O Professor Martins Pisco interveio no Congresso de Radiologia dos EUA, num painel sobre embolização de fibromiomas.

:: 14 de Dezembro de 2005
Conferência sobre embolização uterina nos fibromiomas, no Serviço de Ginecologia da Maternidade Magalhães Coutinho, Lisboa, pelo Professor Martins Pisco.

:: 15 de Dezembro de 2005
Conferência sobre resultados de 128 embolizações uterinas, no Serviço de Ginecologia do Hospital S. Francisco Xavier, Lisboa, pelo Professor Martins Pisco.

:: 4 de Janeiro de 2006
Conferência sobre embolização uterina nas 132 doentes já tratadas, na Maternidade Dr. Alfredo da Costa, Lisboa, pelo Professor Martins Pisco.

:: 10 de Janeiro de 2006
TVI – Embolização das artérias uterinas nos fibromiomas uterinos. Apresentação da técnica e dos resultados das 134 doentes tratadas, pelo Prof. Martins Pisco e com o depoimento de uma doente.

:: 16 de Janeiro de 2006
RTP - Embolização das artérias uterinas nos fibromiomas. Apresentação dos resultados das 145 doentes tratadas. Presença e depoimento de algumas doentes tratadas, pelo Professor Martins Pisco.

:: 25 de Janeiro de 2006
Conferência sobre embolização uterina nos fibromiomas uterinos no Serviço de Ginecologia do Hospital de Setúbal, pelo Professor Martins Pisco.

:: 11 de Fevereiro de 2006
Encontro sobre embolização uterinanos fibromiomas, com a presença da maioria das doentes já tratadas e de vários ginecologistas, entre os quais o Professor Pereira Coelho.
Depoimento da experiência de várias pacientes. Comentário dos ginecologistas presentes.
Comunicação pela Drª Teresa Oliveira Gonçalves, advogada, já tratada, sobre o tema “Necessidade de divulgação da técnica”.

:: 7 de Março de 2006
Professor Martins Pisco participa no Congresso Nacional de Cirurgia, num Simposium sobre alternativas à histerectomia, no qual aborda a Embolização Uterina

:: 17 de Março de 2006
O Professor Martins Pisco participa numa Mesa Redonda, no Congresso organizado pelo Serviço de Ginecologia da Maternidade Magalhães Coutinho, onde aborda a Embolização uterina no tratamento de fibromiomas

:: 18 de Maio de 2006
Realizou-se a 1ª embolização das artérias uterinas, a nível mundial, sem qualquer anestésico, apenas sob acupunctura, efectuada pelo Dr. Mitsu.
A doente não referiu qualquer dor e teve alta 6 horas depois, tendo retomado a sua actividade profissional 2 dias depois.
Presentemente a acupunctura durante a embolização está disponível para as pacientes que o desejarem.

:: 24 de Maio de 2006
Constituição da Associação das Mulheres Portuguesas para Preservação do Útero.
E-Mail: teresaolivia@portugalmail.pt

:: 10 de Junho de 2006
 O Professor Martins Pisco proferiu uma Conferência no Congresso de Radiologia que se realizou em Faro, onde apresentou os resultados de 237 doentes já tratadas.



publicado por SCar às 15:36
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 8 de Novembro de 2006
Em que consiste a embolização uterina

A embolização das artérias uterinas é uma técnica minimamente invasiva, com menos riscos que as técnicas cirúrgicas, cujo objectivo é interromper a circulação sanguínea que irriga os fibromiomas, resolvendo o problema de forma rápida e duradoura e preservando o útero. Para a sua realização punciona-se uma artéria da virilha e através da qual se introduz um cateter para injectar pequenas partículas que vão ocluir as artérias do fibromioma. Sem irrigação sanguínea o fibromioma atrofia-se e os sintomas desaparecem.


A técnica dura aproximadamente uma a duas horas e é efectuada sob controlo fluoroscopico.


As sensações incómodas são evitadas com a administração de medicamentos.

 

Nas primeiras horas as doentes podem apresentar desconforto, náuseas, vómitos, ligeira dor no hipogastro. Nas primeiras 24 a 48 horas pode surgir ligeira febre e sensação de mal-estar geral que é transitório e melhora facilmente com medicação adequada.

 

O sucesso técnico é alcançado em cerca de 95 a 98%. Os primeiros sintomas que desaparecem são a hemorragia e a dor, na maioria das vezes, já no primeiro período menstrual após a embolização. Por tal motivo verifica-se um alto índice de satisfação e de recomendação para outras doentes.

 

A diminuição do tamanho do útero e dos nódulos de fibromioma faz-se gradualmente, verificando-se uma redução de 35 a 75% nos primeiros seis meses. Os fibromiomas continuam a diminuir de tamanho até dois anos após a embolização. Os fibromiomas não desaparecem por completo: sofrem um processo de atrofia e inactivação, tornam-se assintomáticos, quer dizer, não causam mais sintomas, e param definitivamente de crescer.

 

A embolização das artérias uterinas é uma extensão ao útero das técnicas de radiologia de intervenção para redução do débito sanguíneo.

 

As técnicas para redução do débito sanguíneo efectuam-se sobretudo em tumores e em lesões hemorrágicas. Os tumores que se embolizam são tumores muito irrigados quer tumores benignos quer malignos. Dentro dos tumores benignos que embolizamos devemos mencionar os hemangiomas de grandes dimensões do fígado e os fibromiomas uterinos. Os tumores malignos que se embolizam são sobretudo os tumores do rim, do fígado e do útero.

 

A embolização efectua-se também no tratamento de hemorragias incontroláveis com origem nos pulmões (hemoptises), nos órgãos do tubo digestivo, do aparelho urinário e do útero. A paragem da hemorragia é geralmente imediata.

 

Técnicas de redução do débito sanguíneo efectuam-se também no varicocelo e nas varizes da veia ovárica na mulher. Estas podem manifestar-se por varizes vaginais ou pelo síndrome de congestão pélvica que consiste em dores de longa duração no hipogastro que ocorrem geralmente em mulheres de meia-idade e multíparas.



publicado por SCar às 12:44
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 17 de Agosto de 2006
Condoleezza Rice fez embolização uterina
 
   

Rice 'resting comfortably' after surgery

Expected to return to work on Monday

 

story.rice.jpgWASHINGTON (CNN) -- National security adviser Condoleezza Rice, President Bush's nominee to be the next secretary of state, is doing well after successful surgery, Jim Wilkinson, deputy national security advisor, told CNN Friday.

National security adviser Condoleezza Rice

 

Rice is "out of surgery and resting comfortably after undergoing a successful uterine fibroid embolization at Georgetown University Hospital this morning," he said. "The minimally invasive procedure took an hour and a half and was performed by interventional radiologist James Spies."

"The procedure was complete at 10:15 a.m.," he said.

Rice will remain overnight in the hospital, returning home on Saturday. She is expected to return to work on Monday.

In a written release, Wilkinson said, "Fibroids are non-cancerous growths of the uterus that can cause abnormal uterine bleeding, pain and other symptoms. ... Fibroid embolization is a minimally invasive alternative to hysterectomy, which allows for a rapid recovery and control of symptoms."

Uterine fibroids are among the most common tumours in women, CNN's Sanjay Gupta said. They are not cancerous and typically are not dangerous.

About three-quarters of women have the tumours and don't know it, he said adding that larger fibroids can cause symptoms including pelvic pressure or pain, heavy menstrual bleeding, prolonged menstruation, incontinence, leg and back pain and in some cases infertility.

Gupta said embolization is the most common treatment for fibroids. It involves injecting a small particle into the artery that feeds the tumour to block its blood supply, which eventually kills the tumour.

Rice, 50, will not travel to Chile with President Bush for the Asia-Pacific Economic Cooperation summit this weekend, NSC spokesman Jim Wilkinson said.

Instead, Rice's top deputy, Stephen Hadley, will make the trip.

Bush has named Hadley to fill her post when she moves to the State Department.

CNN White House Correspondent Suzanne Malveaux contributed to this report.




publicado por SCar às 16:52
link do post | comentar | favorito

Artigos Publicados sobre embolização uterina

24 de Agosto de 2004., Wall Street Journal

Tratamento Silenciado

Ginecologistas amiúde não citam Procedimento Menos Invasivo para tratar Fibromas, Território de outros Especialistas.

Por KEVIN HELLIKER e LAUREN ETTER - Repórteres do THE WALL STREET JOURNAL

Centos de milhares de mulheres vão ao ginecologista todo ano com um problema comum chamado Mioma Uterino. Quando isto é severo, a maioria delas obtém a mesma recomendação: a histerectomia ou remoção do útero.

Em anos recentes, um procedimento menos invasivo, conhecido como embolização das artérias uterinas o EAU tem estado crescendo em popularidade. Todavia algumas pacientes e ate mesmo alguns ginecologistas, dizem que muitos ginecologistas não estão contando a seus pacientes sobre esta alternativa

 Um estudo apresentado num congresso médico em 2002 encontrou que de 100 pacientes de EAU no Hospital Memorial Noroeste de Chicago, 79 tinham sabido do procedimento através de uma fonte diferente do ginecologista. Um estudo da Escola de Medicina da Universidade de Yale em 2003 encontrou que 13 de 21 pacientes de EAU souberam do procedimento pela Internet.
“É triste” diz Juergen Eisermann, um ginecologista que é diretor médico do Instituto de Medicina Reprodutiva do Sul da Flórida. “Estamos fazendo um desserviço não mencionando todas as opções”.

Na grande maioria dos casos, a EAU traz alivio para os miomas uterinos, e tem um tempo de recuperação bem menor que a histerectomia. Estes tumores não são cancerosos, mas o seu crescimento pode ser debilitante. A EAU corta o suprimento de sangue para estes tumores, causando o seu encolhimento.

Alguns ginecologistas responsabilizam a falha para informar pacientes sobre EAU no fato que ginecologistas não realizam este procedimento. Ao invés, membros da especialidade conhecida como radiologia intervencionista fazem EAU. Quando ginecologistas perdem a chance de realizar uma histerectomia, eles também perdem aproximadamente $2000 em honorários que poderiam ter ganhado.

“Quando você esta sentada em um consultório ginecológico, e eles sabem que seu sustento depende do serviço que eles provêem, eles estão menos adeptos para te encaminhar para um outro especialista” diz Ruth Shaber uma ginecologista que dirige a saúde da mulher em Kaiser Permanente, na Califórnia do Norte, uma grande organização de proteção à saúde.

Ginecologistas nos EUA realizam ao redor de 200.000 histerectomias por mioma todo ano, significando que $400 milhões em honorários estão em jogo anualmente. Mulheres que podem ter problemas no útero quase sempre vão, ou são encaminhadas para ginecologistas, os profissionais médicos peritos no útero.

 A EAU não é a solução perfeita. Não esta recomendada para mulheres que querem ter filhos. Estudos têm mostrado que tanto quanto 20% das pacientes que passam pela embolização voltam a padecer sintomas por mioma após três anos e o procedimento é muito novo para os médicos saberem se esta porcentagem irá subir com o tempo. “É difícil recomendar fortemente um procedimento sem informações em longo prazo” diz Howard Sharp, um ginecologista da Universidade de Utah que é vice-presidente do comitê de prática ginecológica do Colégio Americano de Ginecologia e Obstetrícia.

Ao redor de 15.000 mulheres com miomas tem realizado EAU anualmente nos EUA. Mas não tem ouvido sobre EAU dos ginecologistas. “Meu ginecologista não disse uma palavra sobre EAU” diz Collette Styles, cujo sangramento intenso provocado por miomas fez ela visitar Thermutus McKenzie, um ginecologista

de Atlanta. Depois que o Dr. McKenzie recomendou a histerectomia, diz a Sra. Styles, de 36 anos de idade, ela foi para a Internet e soube sobre a EAU. “Eu não queria que ninguém me cortasse. Eu não queria que ninguém tirasse o meu útero”, ela diz.Depois de realizar a EAU em Janeiro, ela deixou o hospital no mesmo dia, portando um Band Aid. Ela voltou a trabalhar como aeromoça uma semana depois, livre de problemas por miomas, ela diz. Uma histerectomia teria encalhado ela por pelo menos oito semanas. O Dr. McKenzie não retornou as ligações ou requisição escrita para fazer comentários.

Alguns ginecologistas estão contando para seus pacientes sobre a EAU, e algumas pacientes escolhem a histerectomia mesmo depois de saberem sobre o outro procedimento. Mas os radiologistas intervencionistas e alguns ginecologistas dizem que a maioria das mulheres com miomas são candidatas para EAU e devem saber sobre isto.
"Se ginecologistas fizessem EAU, o procedimento seria realizado 100.000 vezes por ano”, ao invés de 15.000, afirma Robert Vogelzang, chefe de radiologia intervencionista do Hospital Northwestern Memorial emChicago.

Miomas crescem no útero em aproximadamente a metade das mulheres, atingindo as de raça áfrico-americana com maior freqüência. A metade das vezes, não provocam sintomas e não requerem tratamento. Mas ignorar os miomas resulta impossível para 25% de todas as mulheres. Em estes casos, os miomas causam sangramentos que podem levar a anemia e outros problemas. A dor pode ser debilitante.

Tipicamente, os sintomas atingem a mulher entre os 35 e 50 anos. Ginecologistas comumente recomendam como primeiro passo, para estas mulheres tentarem tratamento não cirúrgico, tal como as pílulas anticoncepcionais para reduzir o fluxo menstrual. Mas estas medidas geralmente não funcionam por períodos longos e então, ginecologistas tipicamente recomendam uma cirurgia maior.

 Para mulheres que querem preservar a possibilidade de dar a luz, ginecologistas tendem, todavia a recomendar outro procedimento, miomectomia, a remoção cirúrgica dos miomas individualmente, mas não do útero como um todo. A miomectomia realizada por ginecologistas pode ser uma cirurgia mais elaborada que a histerectomia, com maior perda de sangue e uma longa e mais difícil recuperação.

A histerectomia é o tratamento ginecológico standard para mulheres com miomas que não estão planejando ter filhos. Tipicamente realizada através do corte no abdome da paciente, coloca um fim permanente para os miomas de útero. Outra virtude da histerectomia é que reduz o risco de outras condições do útero, incluindo os raros casos de câncer. Mas a histerectomia é uma operação maior, requerendo de anestesia geral e os riscos que a acompanham incluindo reações alérgicas potencialmente fatais.

Recuperação rápida.

A EAU feita sob o menor risco da anestesia local envolve uma pequena incisão na virilha direita. Um cateter é introduzido dentro da artéria femoral e guiado para dentro da artéria uterina. Um agente embolizante, que funciona como uma pequena rolha, é injetado para cortar o fluxo de sangue para os miomas. O cateter é então retirado, deixando tipicamente só um corte na pele que é tampado com uma espuma de gel e coberto por um Band-Aid. Os pacientes deixam o hospital ou clinica no mesmo dia. Muitos seguros e organizações de proteção à saúde agora cobrem EAU.

Embora poucas mulheres vão para cirurgia e perdem um órgão a EAU não esta livre de risco. Entre as mais de 40.000 mulheres que realizaram o procedimento em EUA desde 1996, sabe-se que quatro morreram de infecção ou outras complicações, de acordo com a Sociedade de Radiologia Intervencionista.

Mas quando comparado com a histerectomia, que em se é um procedimento de muito baixo risco, a EAU pode ter um menor índice de complicações, incluindo a morte. Um estudo da Universidade de Georgetown com 102 pacientes de EAU e 50 pacientes de histerectomias apresentado num congresso médico em 2003, encontrou que as pacientes de EAU tiveram a metade das complicações daquelas submetidas a histerectomia.

Esta é a informação que Angela Augustine-Daye diz desejar que seu ginecologista tenha dado para ela. Mas quando a Sra. Augustine-Daye, um detetive de policia em New Haven, Connecticut, de 40 anos de idade, visitou um ginecologista no último ano com dor e sangramento causado por miomas, ela diz que ele não mencionou EAU, mas recomendou histerectomia. Normalmente cética devido ao seu trabalho como detetive, a Sra. Augustine-Daye diz que simplesmente confiou no médico, Carl M. Cassin.
Depois de fazer a histerectomia, a Sra. Augustine-Daye ficou infetada, quase morreu e perdeu um ano inteiro de trabalho. Somente depois da histerectomia ela soube sobre EAU. “Eu sinto uma espécie de culpa porque sou velha o suficiente para saber melhor, e eu meramente confiei nele” ela diz sobre o Dr. Cassin. O doutor não retornou as ligações ou requisição escrita para fazer comentários.

Muitos estados têm elaborado leis do, assim chamado, consentimento informado, requerendo que os médicos contem para os pacientes todas as “alternativas razoáveis” à cirurgia. Adicionalmente, as sociedades médicas tais como a Associação Médica Americana e o Colégio Americano de Ginecologia e Obstetrícia têm feito do consentimento informado a pedra fundamental dos seus códigos de ética.
Especialistas em ética médica e peritos legais dizem que o termo “alternativa razoável” é considerado por médicos como a liberdade de ter que mencionar sobre terapias caseiras e tratamento com ervas. Um procedimento recém inventado também não constituiria uma alternativa razoável, se existe, ainda, pouca pesquisa sobre o mesmo.

A associação de ginecologistas, conhecida como ACOG, declinou comentar se a EAU constitui uma alternativa razoável à histerectomia. A ACOG publicou um reporte em Fevereiro anunciando que a EAU efetivamente provoca alivio dos miomas com um baixo índice de complicações. Mas um panfleto desta organização sobre miomas foi enviado a pacientes fazendo nenhuma menção sobre EAU.
A sociedade diz que cada médico deve decidir se a EAU constitui uma alternativa razoável, “Dizer a eles que tipo de informação dão a seus pacientes – isto não estaria certo” Diz o Dr. Sharp da ACOG.
O porta-voz da ACOG sobre consentimento informado é Jeffrey L. Ecker, um ginecologista da Escola Médica de Harvard. “Se quer ou não que este procedimento específico tenha alcançado o ponto onde é reconhecido como alternativa depende do médico” diz Dr. Ecker. “Meu sentimento é que a EAU não tem alcançado este ponto” Ele diz que não tem estudado as pesquisas sobre o tema e não se especializa em tratar miomas.

 Um ginecologista membro de Harvard toma uma posição oposta: Os pacientes devem ser informados sobre EAU . "Você deve absolutamente mencionar isto”, diz Elizabeth A. Stewart, diretor clínico do Centro de Miomas Uterinos do Hospital Brigham and Women's em Boston, que tem estudado sobre EAU e se especializa em tratar miomas. “Para muitas mulheres é uma opção razoável”.

Arthur Caplan, diretor de ética médica na Escola de Medicina da Universidade de Pensilvânia diz que é “obvio” que ginecologistas devem anunciar a disponibilidade da EAU para pacientes com mioma. Um ginecologista pode recomendar uma histerectomia ao invés, mas a paciente deve fazer a escolha informada, diz Dr. Caplan. "Quando uma especialidade médica legítima esta oferecendo uma alternativa que tem estado em volta por oito anos, você tem que contar a seus pacientes sobre isto”, ele diz.

A descoberta da EAU ocorreu por acidente em meiados dos ’90 da colaboração entre ginecologistas e radiologistas intervencionistas na França. Radiologistas gerais tradicionalmente tem obtido e estudado imagens antes e depois de cirurgias. Radiologistas Intervencionistas são aqueles que tem ganhado habilidade adicional para usar a última tecnologia de imagem para fazer procedimentos e reparos minimamente invasivos, geralmente manipulando delicados cateteres através dos vasos sanguíneos. Ao longo do caminho, eles têm virado expertos em controlar sangramentos mediante a inserção de agentes bloqueadores nestes vasos.

 Os ginecologistas franceses recrutaram radiologistas intervencionistas para embolizar as artérias uterinas semanas antes de uma miomectomia, para controlar o sangramento durante a cirurgia. Resultou que a embolização por se mesma dramaticamente contraiu os miomas, eliminando os sintomas. Palavras sobre este desenvolvimento espalharam-se rapidamente através do grupo de radiologistas intervencionistas. Em 1996, membros desta especialidade começaram a proporcionar este procedimento em EUA.

 Muitos ginecologistas rapidamente formaram equipes com radiologistas intervencionistas em hospitais como a Cleveland Clinic. O procedimento funcionou bem, e noticias sobre o mesmo se espalharam na Internet. Um grande número de mulheres, enfrentando uma recomendação para histerectomia dos seus ginecologistas, souberam sobre EAU conectadas (na Internet) e procuraram algum radiologista intervencionista.

Segunda opinião.

Muitas mulheres americanas estavam tendo uma segunda opinião sobre histerectomia por outras razões. Médicos realizam a cirurgia por miomas e outras condições ao redor de 650.000 vezes por ano em EUA, por uma taxa per-capita que é três ou quatro vezes mais alta que nos paises europeus. Embora estudos mostram que a indecência de complicações muito baixa, investigadores têm ligado a cirurgia com outros problemas, tais como depressão, disfunção sexual, ganho de peso, pressão sanguínea alta, e menopausa prematura.

Carla Dionne, 48, diz que visitou 16 ginecologistas de 1985 até 1998, esperando ouvir sobre uma alternativa à histerectomia como tratamento dos seus miomas de útero. O 17o sugeriu a EAU. Depois de fazer o procedimento, ela iniciou a Fundação Nacional Miomas Uterinos, uma organização sem fins lucrativos que oferece informação sobre histerectomia e suas alternativas.

O estímulo da investida na Internet ajudou radiologistas intervencionistas a conduzir estudos sobre EAU. Um estudo com 200 pacientes de EAU na Universidade de Georgetown, publicado no fascículo de Julio de 2001 do Obstetrics & Gynecology, encontrou melhora em 90% das pacientes após 12 meses. Houve somente um caso com uma complicação maior – uma embolia pulmonar, ou bloqueio, e foi resolvido com medicação.

Evan Myers, chefe de pesquisa clínica e epidemiológica no departamento de ginecologia e obstetrícia no Centro Médico da Universidade Duke, diz que radiologistas intervencionistas têm realizado assíduas pesquisas sobre EAU. “Eu fiquei impressionado que radiologistas intervencionistas fizeram o esforço de obter informação neste caminho” diz Dr. Myers. Após anos de estudo e copilando pesquisa sobre EAU, ele considera o procedimento uma alternativa viável à histerectomia.

Radiologistas Intervencionistas e alguns ginecologistas concordam que muitas mulheres podem se beneficiar das duas especialidades colaborando sobre EAU. Ginecologistas geralmente examinam a paciente antes e depois do procedimento. “Nos não conhecemos o sistema reprodutor tão bem quanto os ginecologistas conhecem” diz John Lipman, um radiologista intervencionista de Atlanta que tem realizado mais de 1.000 EAU. “Nos damos a bem-vinda ao seu envolvimento”. Um pequeno número de ginecologistas está tentando o longo e altamente especializado treinamento requerido para fazer EAU por eles mesmos.

Mas muitos ginecologistas permanecem em silencio sobre EAU. Em recomendação que Cindy Harding, na época 48, fosse submetida a histerectomia no último ano, Don Kratz de Springfield, Missouri, não mencionou a EAU. O Dr. Kratz diz em uma entrevista que ele não sabia se o seguro cobria o procedimento e que ele tinha ouvido que custa ao redor de $30,000.

Seguradoras geralmente cobrem EAU. E uma comparação de custo publicada este anos no periódico Radiology encontrou que a EAU custa ao redor de $6.800, incluindo hospital e honorários médicos, ou cerca de $1.000 a menos que a histerectomia.

 Após saber sobre EAU na Internet, a Sra. Harding, uma executiva de um banco, teve o procedimento realizado por outro médico em Março do ano passado e tem estado livre de sintomas desde então.

Em 2003, Merrill Albert, acometida por sangramento e anemia, visitou uma ginecologista chamada Ruth Clemens no subúrbio de Atlanta. Depois que a Dra. Clemens diagnosticou miomas no útero, a ginecologista escreveu uma carta para o médico de cabeceira da paciente descrevendo como opções miomectomia e histerectomia. Perturbada com a idéia de fazer qualquer cirurgia a Sra. Albert, uma consultora de informática de 38 anos de idade foi para a Internet e soube sobre EAU. “Eu imaginei que a Dra. Clemens não tinha mencionado isto porque era contraria” diz a Sra. Albert.
Mas durante a sua visita seguinte com a Dra. Clemens, ela pediu para a Dra. Clemens repetir as opções frente a ela. A doutora disse miomectomia e histerectomia, diz a Sra. Albert.

 "Então eu pergunte a ela sobre EAU” diz a Sra. Merrill. “E ela disse, “ ‘você não seria uma candidata para isto’ ”

"Eu sai andando de lá tão atordoada para perguntar por que ela não tinha dito nada sobre isto antes” diz a Sra. Albert. Em Outubro último, a Sra. Albert for submetida a EAU, realizada por um radiologista intervencionista e agora esta livre de sintomas.

 A Dra. Clemens não retornou as ligações ou requisição escrita para fazer comentários.·
Linda Bradley, uma ginecologista da Cleveland Clinic, tem encaminhado mais de 300 mulheres para radiologistas intervencionistas para EAU e diz que 70% das mulheres com sintomas de mioma são candidatas para este procedimento. “Eu estou completamente apaixonada com este procedimento” ela diz.

A Dra. Bradley reconhece, entre tanto, que muitos em sua especialidade não compartilham a sua visão. “Quando eu dou uma conferência sobre este procedimento para ginecologistas,” ela diz, “a minha piada clássica é que preciso vestir um colete a prova de balas”.

 






publicado por SCar às 16:49
link do post | comentar | favorito

Domingo, 29 de Janeiro de 2006
Encontro sobre Embolização uterina
“Embolização Uterina” no Hospital de St. Louis – 11 de Fevereiro de 2006

No dia 11 de Fevereiro de 2006, pelas 15 horas, terá lugar no Hospital de St. Louis, o Encontro sobre Embolização Uterina nos Fibromiomas.

Contaremos com a presença da maioria das doentes já tratadas e de vários ginecologistas, entre os quais o Professor Pereira Coelho, pioneiro no tratamento da infertilidade em Portugal, assim como do Professor Jorge Branco, Director da Maternidade Alfredo da Costa.

Estará presente nesta sessão a Drª Teresa Oliveira Gonçalves, doente já tratada, que abordará o tema “Necessidade de divulgação da técnica” e apresentará os estatutos da “Associação das Mulheres Portuguesas para preservação do útero”.



“A EMBOLIZAÇÃO UTERINA”


P R O G R A M A


15.00h - Abertura do Encontro

15.05h - Mesa Redonda – Prof. Doutor Jorge Branco, Director da Maternidade
Alfredo da Costa


. A Embolização Uterina, 150 casos tratados no Hospital de St. Louis
Prof. Doutor José Martins Pisco

. Depoimentos de doentes tratados

. Comentários de Ginecologistas Convidados

. Nota Final sobre o Tratamento de Fibromiomas por Embolização
Prof. Doutor Pereira Coelho


16.30h - Pausa (Café)

16.45h - A Embolização como alternativa à Histeroctomia – Necessidade da
divulgação da técnica
Dra TERESA OLÍVIA GONÇALVES (doente já tratada)

17.00h - Encerramento do Encontro


Data: 11 de Fevereiro de 2005

Local: Capela do Hospital de St. Louis

Contactos: Tel. 21 321 65 00
reginam@hslouis.webside.pt

Inscrições: por telefone ou e-mail até ao dia 6 de Fevereiro.


publicado por SCar às 19:47
link do post | comentar | favorito

Sábado, 21 de Janeiro de 2006
Embolização Uterina
Olá.
Chamo-me Sónia.
Vamos falar num tratamento, numa solução para os miomas que preserva o Nosso Utero.
Irei contar pelo que passei até descobrir este tratamento seguro e utilizado em quase todo mundo.
Irei responder as perguntas: Quando, Como e Onde.
Vou postar a informação necessaria para a resolução de um problema que nos afecta.
Como, quando e onde descobri a embolização.
A quem socorri.
Serão postados diversos testemunhos.
Mas não vamos ficar por aqui.
Será levada a cabo uma associação que será um espaço aberto onde se pode expressar as nossas dúvidas, os nossos receios, partilhar as nossas experiências, os nossos tratamentos, as mudanças pós embolização.
Teremos pareceres tecnicos e procuraremos abrir a discussão de forma a que sejam sanadas as dúvidas.
Temos um encontro no dia 11 de Fevereiro de 2006 no Hospital St. Louis pelas 15 horas em Lisboa no qual se debaterá o tema: O tratamento de Fibromiomas por Embolização.


publicado por SCar às 18:58
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
31


posts recentes

III Encontro sobre “Embol...

500 embolizações das Arté...

Implementação da emboliza...

Em que consiste a emboliz...

Condoleezza Rice fez embo...

Artigos Publicados sobre ...

Encontro sobre Embolizaçã...

Embolização Uterina

arquivos

Janeiro 2008

Outubro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Agosto 2006

Janeiro 2006

links
blogs SAPO
subscrever feeds